14 de abril, dia Mundial de Combate à Doença de Chagas

Postado por: Alda Maria Teixeira Ferreira Ferreira

O Grupo de Pesquisa em Ensaios Biológicos com Trypanosoma cruzi celebra o Dia Mundial da Doença de Chagas .

Desde 2020 o dia 14 de abril é dedicado ao combate a uma das Doenças Negligenciadas de maior relevância mundial, a Doença de Chagas (DC) ou Tripanossomíase Americana. Foi nessa data, em 1909, que a primeira paciente, Berenice Soares de Moura, uma menina brasileira, foi diagnosticada para essa doença pelo Dr. Carlos Ribeiro Justiniano Chagas.

Carlos Chagas (1878-1934), médico e pesquisador do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), não somente foi o responsável pela descoberta de uma nova doença humana, pela descrição do ciclo de vida do seu agente etiológico, o protozoário Trypanosoma cruzi, o qual foi assim denominado em homenagem a Oswaldo Cruz, mas também pela identificação do inseto que o transmitia (triatomíneo conhecido como barbeiro). Esse feito constituiu-se em um marco na história da ciência e da saúde pública em nosso país, conferindo-lhe prestígio e projeção no Brasil e no exterior, tendo sido indicado ao Prêmio Nobel de Medicina por duas vezes.

Embora seja endêmica nos países da América Latina, a DC está presente em outros continentes, tornando-se um problema de saúde global. Atualmente estima-se que mais de 6 milhões de pessoas sofram com essa doença, sendo que no Brasil são aproximadamente 3 milhões de pessoas infectadas. O desenvolvimento clínico da DC é lento e frequentemente assintomático, o que muitas vezes dificulta o diagnóstico, acometendo principalmente, pessoas de baixa renda e sem acesso aos serviços de saúde.

A transmissão pode ocorrer por meio da ingestão de alimentos contaminados com parasitos (atualmente é a principal forma de transmissão, no Brasil); durante a gestação ou parto; por meio de transfusão sanguínea ou transplante de órgãos de doadores infectados ou ainda pelo contato da pele ferida ou de mucosas com material contaminado.

O tratamento, quando indicado pelo médico, é fornecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Passados mais de 100 anos de sua descoberta, a DC ainda representa um problema de saúde pública o que justifica investimentos em pesquisa e desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas.

Desde 2016 nosso Grupo investiga os aspectos relacionados ao agente etiológico da DC, considerando não somente sua relevância médica, mas também pelo seu caráter ancestral na escala evolutiva, apresentando estruturas e propriedades biológicas únicas, o que despertou em nós o interesse por esse modelo de estudo, T.cruzi desperta grande interesse de estudo devido ao permite a identificação de múltiplos alvos para a quimioterapia da doença de Chagas.

Movidos pela relevância médica que T.cruzi representa, como o agente etiológico da DC e pelo seu caráter ancestral na escala evolutiva do seres vivos, desde 2016 nosso Grupo investiga os aspectos relacionados à biologia e bioquímica desse modelo de estudo, estudando o seu comportamento in vitro frente à compostos vegetais do Cerrado e compostos sintéticos, com vistas à identificação de possíveis alvos para a quimioterapia da doença de Chagas.

O Grupo de Pesquisa em Ensaios Biológicos com Trypanosoma cruzi está vinculado ao Laboratório de Imunologia, Biologia Molecular e Bioensaios (LabImunoBio), do Instituto de Biociências da UFMS, sob a coordenação da Profa Dra Alda Maria T. Ferreira.

 

Fontes da consulta:

Fundação Oswaldo Cruz
Ministério da Saúde. Saúde de A a Z
Organização Mundial da Saúde

KROPF, S.P., and LACERDA, A.L. Carlos Chagas, um cientista do Brasil = Carlos Chagas, scientist of Brazil [online]. Translated by Diane Grosklaus Whitty. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2009, pp. 1-8. ISBN: 978-65-5708-000-9. https://doi.org/10.7476/9786557080009.